Dia 11/06/12, 00:21, eu já tinha desligado o meu note, já estava pronto pra dormir, mas comecei a pensar em algumas coisas, nós já estamos na metade do ano, seis meses já se passaram desde que eu tive uma virada de ano olhando os fogos na ponte da thapy, pegando na mão da pessoa que estava comigo até então, e tentando dar um beijo escondido também. Já se passaram seis meses, e olhando pra traz agora eu me pergunto uma coisa: o quanto eu mudei em seis meses?

Imagem

Em seis meses atrás eu estava mais ou menos assim.

Eu passei de um cego apaixonado, pra um cara mais pés no chão, eu passei de “loser” pra alguém que tem alguma coisa de verdade, eu aprendi que tem certas coisas que não devemos cativar, aprendi a ser sincero comigo e com os outros, passei de um cara que acreditava em amor verdadeiro e que agora não tem tanta certeza disso. Não quero fazer disso um drama, mas até que ponto as pessoas são verdadeiras? Até que ponto estão realmente comprometidas? Se é que se consideram comprometidas. Sei que todo mundo que estiver lendo isso vai pensar: para de ser dramático Tiago, nem todo mundo é igual, as pessoas são diferentes uma das outras, não é por que você quebrou a cara uma vez que vai quebrar de novo. Quem pode realmente me assegurar disso? Bem, acho que ninguém.

Não tenho mais tanta certeza em certas coisas, não coloco mais a minha mão no fogo por ninguém. Não é que eu deixei de acreditar nas pessoas, ou no amor ou na vida, eu apenas passei a conhecê-los melhor. Eu costumava ser tão seguro de mim, tão sonhador pra certas coisas. Mas se tem uma coisa que eu aprendi em seis meses é não brincar com ninguém, se eu conheci alguém e realmente não for querer me envolver eu não vou levar isso a diante, nem que seja apenas alguém pra eu ficar as vezes, se eu não for querer levar isso a diante eu vou falar, e também não vou deixar ninguém se envolver se eu não estiver envolvido. O foda é que algumas coisas apenas continuam iguais a quando éramos crianças, quem a gente gosta não gosta da gente, e quem gosta da gente a gente não gosta (acho que se eu ainda fosse criança resumiria essa história assim). Tem coisas também que vão ganhando uma proporção quem nem só esperamos, coisas que acabam confundindo os sentimentos, confundindo a minha cabeça.

Cansei de ser o garoto triste, ou apenas o tiaguinho, eu cresci, amadureci, passei por poucas e boas (ou nem tão boas assim), eu descobri o que é amar de verdade e descobri que foi em vão, e depois eu descobri que não foi tão em vão, nada acontece por acaso, se eu não tivesse passado por tudo o que eu passei eu não estaria escrevendo isso agora. Eu cresci, eu amadureci, eu sofri, chorei e eu faria de novo. Em seis meses eu cresci como nunca tinha crescido na minha vida, comecei o ano namorando, saindo de casa pra ir morar junto, fiquei sem chão quando tudo acabou, voltei pra casa com o rabo entre as pernas literalmente, amadureci, estou tendo reconhecimento em várias coisas, fiquei praticamente sem amigos, descobri que talvez eu nem tinha amigos, fiz novas amizades, descobri que existe mais coisas além de Timbó, e que em cidades próximas tem pessoas que estão passando pelas mesmas coisas que eu, eu realmente não estou tão sozinho. Existem coisas que realmente não tem como explicar, eu realmente sou um cara melhor do que eu era a seis meses atrás. Espero continuar crescendo, mudando, evoluindo. Em seis meses eu ganhei uma coisa que não vão poder tirar de mim: experiência.

Imagem

Agora as coisas mudaram um pouco, acho que eu aprendi a rir de certas coisas 😀

Anúncios